Riot Fest Chicago (2014) – Parte 2 – Gogol Bordello e Offspring

 riotfestlogo

Gogol Bordello é uma das bandas mais interessantes que tem por aí. Tem violino e acordeão, músicas cantadas em inglês, ucraniano, espanhol e português, 8 integrantes que dominam completamente o palco e uma mistura absurda de nacionalidades. Tem Ucrânia, Equador, Rússia, Etiópia, China e mais alguns outros! Isso faz com o que o som deles seja bem diferente de tudo. E o show é sempre incrível, mas o tempo ainda estava horroroso.

De onde eu estava, bem lá atrás na platéia, eu via que as pessoas estavam gostando do show, mas não dava pra se animar muito. Tava muito frio e molhado pra dançar, então bater os pés no chão (na lama) era o máximo que dava pra fazer. As mãos só saíam do bolso pra bater palma entre as músicas. Merecidas, porque em cima do palco, o pessoal tava muito mais animado. O show estava sendo ótimo como sempre.

riotfest_gogol O tamanho dos casacos. O frio tava de verdade.

Dois anos antes, eu assisti ao Gogol Bordello no Lollapalooza Brasil. Foi o primeiro contato que eu tive com a banda, porque antes eu só conhecia de nome. Foi impressionante. No youtube tem a apresentação completa  e eu recomendo fortemente. Detaque para a versão de Tribal Connection desse show, que é a melhor de todas. Não achei a set list do show do Riot Fest, mas a do Lollapalooza foi muito melhor, pode assistir que vale a pena =)


O percussionista com a camisa da Comlurb =)

Um pouco antes de acabar o show, fui em direção ao palco do Offspring para pegar um lugar bom. Eu tava ansioso, era o motivo original de eu ter ido parar lá! No caminho, ainda encontrei com o Matt, neozelandês no albergue no dia anterior. E isso merece um destaque, porque a quantidade de vezes que eu encontrei alguém apenas por sorte, é absurda. E isso é impressionante porque o lugar era imenso! Eram 7 palcos e sei lá quantas mil pessoas, mas era gente pra cacete! Além de duas rodas gigantes, bate-bate, ringue de lucha libre, casa mal-assombrada e o diabo a quatro!

riotfest_mapa

Na hora marcada, a voz de Time to Relax, faixa de introdução do Smash, começa a falar. Em seguida, The Offspring entra no palco. Eles tocam todas as músicas do disco na ordem, menos Self Esteem, a mais famosa, que eles deixam para o final, antes de sair pro intervalo do bis.

E foi bom. Mas só isso. Não sei, talvez as minhas expectativas estivessem muito altas, mas quando acabou o show, eu fiquei com uma sensação de, beleza, foi legal, ouvi um monte de músicas que sempre quis ouvir ao vivo, o Smash continua sendo um disco sensacional, mas eu queria mais. Talvez porque eu estivesse lá atrás, onde a maioria do povo não tava ligando tanto pro show, então tava meio desanimado. Talvez por causa do tempo ruim, sei lá, só sei que foi aquém do que eu esperava.

riotfest_offspring

Isso eu tava pensando antes da banda voltar pro bis, porque aí piorou. Eles começaram bem com All I Want, mas depois dessa, poham, veio um hit combo de músicas desnecessárias. You’re Gonna Go Far, Kid, do disco mais sem graça deles, e as duas mais pop punk do Americana: Why don’t you get a job e Pretty Fly.  Sério, os caras tão fazendo uma turnê tocando um disco de 1994 inteiro e não aproveitam pra tocar mais músicas antigas e difíceis de serem ouvidas ao vivo? Ao invés disso, tocam as mesmas que há 16 anos estão presentes em todos os shows. Maneiro, heim?

Terminaram com The Kids Aren’t Alright, que é muito boa, mas eu já não tava ligando mais. Eu tinha vindo de longe pra cacete pra ver esse show e não tinha sido *tão* bom quanto eu esperava. Ainda assisti a uns 40 minutos do Jane’s Addiction no palco ao lado, mas começou a chover mais forte e o frio tava tão tenso, que eu não sentia as pontas dos meus dedos. Fui embora torcendo para que o tempo melhorasse no dia seguinte. E o dia nasceu quente e ensolarado =)

Smash: rdio | spotify | youtube | youtube (ao vivo no Rock am Ring)

Set list Offspring:

  1. Nitro (Youth Energy)
  2. Bad Habit
  3. Gotta Get Away
  4. Genocide
  5. Something to Believe In
  6. Come Out and Play
  7. It’ll Be a Long Time
  8. Killboy Powerhead
  9. What Happened to You?
  10. So Alone
  11. Not the One
  12. Smash
  13. Self Esteem
  14. All I Want
  15. You’re Gonna Go Far, Kid
  16. Why Don’t You Get a Job?
  17. Pretty Fly (For a White Guy)
  18. The Kids Aren’t Alright

Fim do primeiro dia! Ainda tem mais dois, então vou continuar escrevendo. O próximo post sai quando ficar pronto 😉

Primeira parte do relato sobre o Rio Fest com NOFX.

Fotos por Rory Biller do Antiquiet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s